Pular para o conteúdo principal

Andar de ônibus pela primeira vez




Minha amiga Claudia me chamou para dar uma volta perto da minha casa, jogar conversa fora. O tempo não tava muito propício pra uma cadeirante que decide sair de casa num andar sobre rodas e ainda por cima motorizada, mais acabou saindo um sol daqueles o que me deixou mais animada.

Então fomos, sem rumo definido, só sabíamos que pararíamos em algum lugar pra ela fazer um lanche, forrar o estômago e tomarmos uma cervejinha. Paramos no Postinho e como não tinha uma mesa apta para receber uma cadeirante resolvemos irmos a outro lugar mais receptivo. Demos mais uma volta na redondeza mais não achamos, o lugar. Foi quando ela me propôs uma aventura.

Paramos num ponto de ônibus. Iríamos pegar um ônibus de linha para esticarmos nosso passeio. Um feito inédito na minha vida, iria andar num ônibus de linha pela primeira vez sem hora marcada como é de costume no Serviço Especial Mão na Roda. Porém no decorrer dessa aventura houveram algumas intercorrências.

Pegamos o primeiro ônibus, tudo uma novidade, mais eu ainda estava muito apreensiva. O motorista e o trocador muito atenciosos, amarraram a minha cadeira e colocaram o cinto de segurança com destino ao terminal onde pegaríamos outro ônibus. Chegamos e esperamos uma hora mais ou menos, horário que o próximo ônibus passaria rumo ao nosso destino que agora seria Praia de Itapoã.

Eu que era acostumada a não esperar, pois o Serviço Mão na Roda me pega na porta de casa e com hora marcada, achei bem diferente.

Prosseguindo na nossa aventura, mais minha do que da minha amiga, fomos nós. O motorista parou, e a Claudia disse para ele que tinha uma cadeirante para entrar. O motorista prontamente junto com o trocador foram acionar a rampa de embarque. Para minha surpresa a rampa não funcionou, e eles com toda boa vontade propuseram me colocar lá dentro carregada pelos dois. Mais como a minha cadeira é muito pesada por ser motorizada, resolvemos aguardar o próximo ônibus.

Uma meia hora depois chegou outro ônibus. Entramos e tudo transcorreu muito bem. Saltamos e logo em seguida fomos para um bar e restaurante que eu queria conhecer. Maravilhooooooso. Lugar bacana, gente bonita, comida boa e bebida mais ainda. Tudo ótimo. Depois de curtirmos, fomos nós para o retorno.

Teríamos que ir a um ponto onde pegaríamos outro ônibus. Era meio deserto, mas apareceram algumas pessoas e também um bêbado dizendo para mim que se eu soubesse eu poderia fazer tudo que quisesse eu que não sabia, e depois foi embora. Não interpretei mal, qualquer coisa a Claudia daria um chute e ele cairia na hora porque nem conseguia ficar de pé, e iríamos embora é claro. Talvez um pouco inconsequente da minha parte, mais aconteceu. O que fazer nessas horas? Talvez nada seja a melhor solução.

Nisso chega o ônibus. Iria parar direto na Praia da Costa. Ufaaaa, entrei, e quando pensei que estava tudo bem, o motorista deu uma arrancada, sem procurar saber se minha cadeira já estava amarrada e eu com o cinto. Nenhuma das duas coisas, o cobrador foi indiferente. Os passageiros ficaram estarrecidos com tamanha ignorância. Chegando lá ao descer a rampa o cobrador pediu mil desculpas mais não cumpriu com o seu dever.

Ainda temos muito para avançar e sermos respeitados como qualquer outro cidadão que somos por direito. Dar a cara a tapa serve sim para dizer a todos que estamos nessa sociedade, fazemos parte dela e vivemos plenamente. Pois bem, saltamos e seguimos rumo ao supermercado, compramos pizza e uma coca-cola, fomos para casa e comemos.

Claudia foi embora e eu dormi encantada porque andei de ônibus pela primeira vez, sem roteiro e hora marcada, com a liberdade de ir e vir. Completa.

Essa foi uma das primeiras vezes de toda uma vida cheia de surpresas desde que nasci até agora e que com certeza surgirão muitas outras porque estamos vivos e isso é o que importa.

Comentários

  1. Isso ae Elaine!! temos que sair e nos diverti mesmo, pois so assim que conseguiremos, lutar pelos nossos direitos e liberdade, principalmente quando se fala de locomoção de ir e vir. muito massa Massa Essa aventura que vc teve!! parabens.. bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ser cadeirante...

O texto abaixo está circulando na internet e achei pertinente postar aqui. É fato e muitas pessoas desconhecem o assunto, ás vezes por não conviverem com um cadeirante e não saberem lidar com uma situação, outras por ignorância, e a maior parte por descaso e desrespeito do próprio Estado de oferecer uma estrutura adequada para que a gente possa viver com mais dignidade. Boa leitura!   Ser cadeirante é ter o poder de emudecer as pessoas quando você passa… Ser cadeirante é não conseguir passar despercebi­do, mesmo quando você quer sumir! E ser completamente ignorado quando existe um andante ao seu lado. E isso não faz sentido, as pernas e os braços podem não estar funcionando bem, mas o resto está!

Ser cadeirante é amar ele­vadores e rampas e detestar escadas… Tapetes? Só se fo­rem voadores, por favor! Ser cadeirante é andar de ônibus e se sentir como um “Power Ranger” a diferença é que você chega ao ponto e diz: “é hora de MOFAR”.


Ser cadeirante é ter al­guém falando com você como se você…

Pessoas com deficiência x sexo

Pessoas, encontrei o texto abaixo e achei bem informativo. Quando o assunto é pessoas com deficiência e sexo ainda existe muito tabu. Ao meu ver o ponto chave é a família. Na maior parte dos casos as famílias tentam superproteger seus filhos afastando-os da vivência plenados seus sentimentos simplemente ignorando-os.

Não falar no assunto é a melhor forma de proteção, certo? Errado. É preciso sim orientar, conversar e assimilar as necessidades de cada pessoa com deficiência, mas ignorar que deficiente não tem sentimentos, não tem desejos, que deficiente não precisa se relacionar afetivamente, não é a melhor forma de tratar o assunto. 

Não somos bonecos de porcelana, que não podem sofrer, que não podem passar por situações difíceis, que não podem se quebrar, ficar em pedaços, em frangalhos. Claro que não queremos isso, mas faz parte. Somos iguais a qualquer outra pessoa e por isso se situações difíceis surgirem é a prova que estamos vivendo, perdendo de um lado e aprendendo do outro, ou …

Devotees

Descobri o termo em uma comunidade do orkut e fiquei curiosa para saber mais a respeito. Passei a ler artigos, blogs e afins, além de discutir o assunto com alguns devotees via MSN. Ainda serei uma pesquisadora profissional heheehe. Nem sempre reconhecemos um devotee de cara, até porque não vem escrito na testa de ninguém, mas com uma conversa dá pra constatar e tirar algumas conclusões. O que não pode acontecer é nos privarmos de conhecer pessoas que possam nos satisfazer emocionalmente. 
O importante é diferenciarmos a pessoa que é um devotee por apreciar a diversidade humana, que deseja sair do óbvio, do certinho, do convencional, para o devotee patológico que só tem olhos e tesão para a deficiência com seus aparatos: cadeira de rodas, muletas e aparelhos ortopédicos. Por tudo que já li cheguei a conclusão que ser um devotee não é doença, a não ser em casos restritos que ultrapassa o bom senso como já disse. No texto abaixo teremos a definição de devotee e suas ramificações com uma …