Pular para o conteúdo principal

Praias acessíveis já





Olá Pessoas, estou aqui pra relembrar nesse post um Projeto que começou através de um amigo e seu entusiasmo – o Rodas D’Água. Não foi adiante, mais acredito que ainda vamos reativar as energias para reerguê-lo e seguir em frente como o “Praia Para Todos” que já está a todo vapor nas praias cariocas.

Nas fotos acima, estão alguns cadeirantes entre eles euzinha que na improvização nos juntamos pra curtir uma praiana. A tenda nós pegamos emprestado da Escolinha de Pescadores da Praia da Costa que já fica no local. Parentes, amigos e fisioterapeutas além da ajuda extra dos salva-vidas, estavam presentes para nos dar o devido apoio. A cadeira anfíbia foi cedida por outro amigo. E assim foi possível nos adaptarmos à falta de acesso para tomarmos aquele delicioso banho de mar. 

Por isso, para que nós cadeirantes possamos apreciar a praia com dignidade, e que não seja somente do calçadão, precisamos de um conjunto de ações e disponibilizações de empresas privadas em parceria com o governo afim de montar a estrutura básica para fazer acontecer. Nossas dificuldades de acesso a praia como cadeirantes vão desde a ausência de uma infra-estrutura adequada às grandes extensões de areia sem a devida adaptação, ou seja, acessibilidade zero.

A estrutura básica incluiu esteiras para a passagem das cadeiras de rodas, e as cadeiras anfíbias que se deslocam facilmente na areia e bóiam na água. As atividades devem contar com a orientação de profissionais da área de educação física e fisioterapia além do apoio de voluntários.

Outros projetos semelhantes como a ONG Adapt Surf que realiza o “Surf Adaptado” e o “Praia Acessível” nos traz amostras que essas ações inclusivas são práticas que já deram certo e que agora precisam se expandir a outros Estados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ser cadeirante...

O texto abaixo está circulando na internet e achei pertinente postar aqui. É fato e muitas pessoas desconhecem o assunto, ás vezes por não conviverem com um cadeirante e não saberem lidar com uma situação, outras por ignorância, e a maior parte por descaso e desrespeito do próprio Estado de oferecer uma estrutura adequada para que a gente possa viver com mais dignidade. Boa leitura!   Ser cadeirante é ter o poder de emudecer as pessoas quando você passa… Ser cadeirante é não conseguir passar despercebi­do, mesmo quando você quer sumir! E ser completamente ignorado quando existe um andante ao seu lado. E isso não faz sentido, as pernas e os braços podem não estar funcionando bem, mas o resto está!

Ser cadeirante é amar ele­vadores e rampas e detestar escadas… Tapetes? Só se fo­rem voadores, por favor! Ser cadeirante é andar de ônibus e se sentir como um “Power Ranger” a diferença é que você chega ao ponto e diz: “é hora de MOFAR”.


Ser cadeirante é ter al­guém falando com você como se você…

Pessoas com deficiência x sexo

Pessoas, encontrei o texto abaixo e achei bem informativo. Quando o assunto é pessoas com deficiência e sexo ainda existe muito tabu. Ao meu ver o ponto chave é a família. Na maior parte dos casos as famílias tentam superproteger seus filhos afastando-os da vivência plenados seus sentimentos simplemente ignorando-os.

Não falar no assunto é a melhor forma de proteção, certo? Errado. É preciso sim orientar, conversar e assimilar as necessidades de cada pessoa com deficiência, mas ignorar que deficiente não tem sentimentos, não tem desejos, que deficiente não precisa se relacionar afetivamente, não é a melhor forma de tratar o assunto. 

Não somos bonecos de porcelana, que não podem sofrer, que não podem passar por situações difíceis, que não podem se quebrar, ficar em pedaços, em frangalhos. Claro que não queremos isso, mas faz parte. Somos iguais a qualquer outra pessoa e por isso se situações difíceis surgirem é a prova que estamos vivendo, perdendo de um lado e aprendendo do outro, ou …

Devotees

Descobri o termo em uma comunidade do orkut e fiquei curiosa para saber mais a respeito. Passei a ler artigos, blogs e afins, além de discutir o assunto com alguns devotees via MSN. Ainda serei uma pesquisadora profissional heheehe. Nem sempre reconhecemos um devotee de cara, até porque não vem escrito na testa de ninguém, mas com uma conversa dá pra constatar e tirar algumas conclusões. O que não pode acontecer é nos privarmos de conhecer pessoas que possam nos satisfazer emocionalmente. 
O importante é diferenciarmos a pessoa que é um devotee por apreciar a diversidade humana, que deseja sair do óbvio, do certinho, do convencional, para o devotee patológico que só tem olhos e tesão para a deficiência com seus aparatos: cadeira de rodas, muletas e aparelhos ortopédicos. Por tudo que já li cheguei a conclusão que ser um devotee não é doença, a não ser em casos restritos que ultrapassa o bom senso como já disse. No texto abaixo teremos a definição de devotee e suas ramificações com uma …