Pular para o conteúdo principal

Dia fatídico


Há uma semana mais ou menos foi um dia fatídico pra mim. Vou explicar o porque. Minha cadeira de rodas motorizada ficou literalmente doida. Estava voltando de uma entrevista de emprego quando ao ligar pra dar partida ela deu um impulso tão grande que quase cai no chão. Cadeira descontrolada e a dona mais ainda, kkkkkk. Na usência da abençoada fico sem chão, sem rumo e o principal, sem pernas. Minha salvação é que possuo uma cadeira de rodas manual. Mais como não tenho força suficiente pra tocar as rodas fico presa aos movimentos mais simples quem dirá pra sair à rua. Só sendo empurrada mesmo. Gente, e não é que as oportunidades aparecem mesmo pra ser empurrada, rsrsrsrs!!!!!!!!!!!!


E quem é cadeirante sabe que quando trocamos de cadeira é uma nova adaptação. Muda tudo, nosso corpo tem que se modelar ao formato novo como altura, largura, espessura da almofada, braços, apoio de pé (nesse, coloco uma almofada quando estou em casa pra ficar mais confortável).

Só utilizo a cadeira manual pra sair de carro particular o que não faço com muita frequência (isso acontece mais quando saio pra algum rock sem hora para voltar, aí acabo pegando um táxi ou voltando com algum amigo - essa parte é boa também) ou então quando acontecem esses imprevistos. Meu principal meio de transporte é o Serviço Especial Mão na Roda.


Não é a primeira vez que a digníssima me deixa na mão. Na última, a solução foi mandá-la pra fábrica no Rio Grande do Sul e lá fizeram os ajustes necessários. Fiquei um tempo razoável numa boa com ela até esse dia, que vem sempre como um balde de água fria.


Quem depende de uma motorizada sabe também que esses imprevistos acontecem, ás vezes com uma frequência maior do que se espera. Pra falar a verdade essa já deu o que tinha que dar, tem muitos anos que estou com a minha fiel escudeira. Funciona igualzinho a um carro, quanto mais velha for mais problemas aparecerão e a manutenção deverá ser feita com maior frequência.


Mesmo assim, enquanto fico na minha, mais quieta (ops, nem tanto) com a manual, vou chamar o Alexandre. É ele que olha a cadeira quando ela resolve me fazer esse tipo de surpresa. Sorte a minha é que estou esperando receber um dindim pra comprar uma novinha, isso é o que me anima, me impulsiona, me coloca pra frente. Sinal de que nem tudo está perdido.


A palavra de hoje é:
(Como gosto muito das PALAVRAS então pra cada post vou retirar uma do Dicionário Michaelis que me chame atenção ou que vier a cabeça e descrever o significado. Essa palavra pode ou não fazer sentido com o que foi publicado. A idéia é "palavrear" e transmitir de alguma forma uma sensação ou reação a quem ler).

Mudança - "Ação ou efeito de mudar; ação ou efeito de fazer passar ou transportar alguém ou alguma coisa de um lugar para outro; os móveis que se mudam; variação das coisas de um estado para outro; modificação ou alteração de sentimentos ou atitudes; alteração, modificação, variação; substituição; o mesmo que câmbio de velocidade; transformações que se verificaram numa língua ao longo do tempo e constituem a sua história; passagem de uma substância de um estado físico (sólido, líquido, gasoso) a outr; a) o mesmo que câmbio de velocidade; b) alteração da velocidade mediante o câmbio de velocidade".

Comentários

  1. Oi Laine

    Que problemão é esse quando a cadeira deixa na mão né? Imagino o transtorno em ter a vida sem os instrumentos que possibilitam a acessibilidade.

    Força na peruca aí menina que tudo vai dar certinho. Estou aqui na torcida.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?
    O Fanzine Episódio Cultural é uma publicação bimestral sem fins lucrativos, distribuído na região sul de Minas Gerais, São Paulo (capital), Belo Horizonte e Salvador-BA. Para participar basta mandar um artigo: poema, um conto que não ultrapasse 1 folha inteira no word (Times Roman 12). Pode mandar também artigos que abordem: cinema, teatro, esporte, moda, saúde, comportamento, curiosidades, folclore, turismo, biografias, sinopses de livros, dicasde sites, institutos culturais, entre outros.
    Mande em anexo uma foto pessoal para que seja publicada juntamente com a sua matéria.. Mande também (se desejar) uma imagem correspondente ao assunto abordado. Caso o artigo não seja de sua autoria, favor informar a fonte.
    PARA ENTRAR COM CARLOS (Editor)

    ResponderExcluir
  3. Laine, querida. Primeiramente, obrigada por teus komentários no meu blog. Saber que vc visita e lê meus textos, me motiva muito a continuar escrevendo.

    Adorei sua postagem. Que bom que vc lida bem com esses imprevistos... não nos resta outra saída, não é mesmo?

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Nome: Cacau
    Blog:http://ensaiosdeamor.zip.net/

    PASSADINHA CONHECER O SEU ESPAÇO E PARA DEIXAR UMA CAMINHÃO DE FLORES PRA VOCÊ! TE DESEJO UM FDS ABENÇOADO, BJS :)
    ...........|""""""""""""""""""""""""|\|_
    ...........|..........FLORES........|||"|""\___
    ...........|__________________|||_|___|) ]
    ...........!(@)'(@)""""**!(@)(@)****!(@)

    ResponderExcluir
  5. Laine, estou meio atrasada para a data do post, por isto espero que a cadeira já esteja a toda de novo. Imagino o quanto deve ser desagradável...

    Beijos e ótima semana!

    ResponderExcluir
  6. Que dureza em amiga, mas essas máquinas sempre nos deixam na mão mesmo. Uma vez eu estava de moto numa avenida movimentadíssima e o pneu furou eu estava sem dinheiro pra completar perdi a chave de casa. Foi um sufoco viu!!!Na hora eu quis chorar, mas depois do ocorrido só sorrisos. Já estou imaginando o seu!!!!Rs
    Abraços minha amiga!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Querida amiga, desse jeito não vale. Você conseguiu que eu ficasse mais que emocionada. Estou sem palavras para exprimir exatamente o que sentí e o que estou sentindo; então vou resumir num grande e sincero agradecimento, com muita admiração pela pessoa que você representa para todos que a conhecem verdadeiramente e sabem o quão especial e importante é a sua existência em nossas vidas.
    Obrigada e continue assim, essa pessoa sensível, bem humorada e que sabe dar o verdadeiro valor que a vida merece, pois é a maior dádiva que poderíamos receber do nosso Divino Pai Eterno.
    Um grande abraço e até a próxima. Bjs da amiga Jaja

    ResponderExcluir
  8. Obrigada a todos pelas palavras de incentivo. A Cacau pelo caminhão de flores e à Janete pela delicadeza e compreensão. Abçs!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ser cadeirante...

O texto abaixo está circulando na internet e achei pertinente postar aqui. É fato e muitas pessoas desconhecem o assunto, ás vezes por não conviverem com um cadeirante e não saberem lidar com uma situação, outras por ignorância, e a maior parte por descaso e desrespeito do próprio Estado de oferecer uma estrutura adequada para que a gente possa viver com mais dignidade. Boa leitura!   Ser cadeirante é ter o poder de emudecer as pessoas quando você passa… Ser cadeirante é não conseguir passar despercebi­do, mesmo quando você quer sumir! E ser completamente ignorado quando existe um andante ao seu lado. E isso não faz sentido, as pernas e os braços podem não estar funcionando bem, mas o resto está!

Ser cadeirante é amar ele­vadores e rampas e detestar escadas… Tapetes? Só se fo­rem voadores, por favor! Ser cadeirante é andar de ônibus e se sentir como um “Power Ranger” a diferença é que você chega ao ponto e diz: “é hora de MOFAR”.


Ser cadeirante é ter al­guém falando com você como se você…

Pessoas com deficiência x sexo

Pessoas, encontrei o texto abaixo e achei bem informativo. Quando o assunto é pessoas com deficiência e sexo ainda existe muito tabu. Ao meu ver o ponto chave é a família. Na maior parte dos casos as famílias tentam superproteger seus filhos afastando-os da vivência plenados seus sentimentos simplemente ignorando-os.

Não falar no assunto é a melhor forma de proteção, certo? Errado. É preciso sim orientar, conversar e assimilar as necessidades de cada pessoa com deficiência, mas ignorar que deficiente não tem sentimentos, não tem desejos, que deficiente não precisa se relacionar afetivamente, não é a melhor forma de tratar o assunto. 

Não somos bonecos de porcelana, que não podem sofrer, que não podem passar por situações difíceis, que não podem se quebrar, ficar em pedaços, em frangalhos. Claro que não queremos isso, mas faz parte. Somos iguais a qualquer outra pessoa e por isso se situações difíceis surgirem é a prova que estamos vivendo, perdendo de um lado e aprendendo do outro, ou …

Devotees

Descobri o termo em uma comunidade do orkut e fiquei curiosa para saber mais a respeito. Passei a ler artigos, blogs e afins, além de discutir o assunto com alguns devotees via MSN. Ainda serei uma pesquisadora profissional heheehe. Nem sempre reconhecemos um devotee de cara, até porque não vem escrito na testa de ninguém, mas com uma conversa dá pra constatar e tirar algumas conclusões. O que não pode acontecer é nos privarmos de conhecer pessoas que possam nos satisfazer emocionalmente. 
O importante é diferenciarmos a pessoa que é um devotee por apreciar a diversidade humana, que deseja sair do óbvio, do certinho, do convencional, para o devotee patológico que só tem olhos e tesão para a deficiência com seus aparatos: cadeira de rodas, muletas e aparelhos ortopédicos. Por tudo que já li cheguei a conclusão que ser um devotee não é doença, a não ser em casos restritos que ultrapassa o bom senso como já disse. No texto abaixo teremos a definição de devotee e suas ramificações com uma …