Pular para o conteúdo principal

"Léo e Bia" - Espetáculo Filhos do Brasil Mix


Gente, vi este vídeo encantador no Blog Assim como Você do nosso querido Jairo Marques. É o trailler do mais novo Espetáculo do Cia “Mix Menestréis” - Filhos do Brasil - que acontece do dia 5 a 13 de fevereiro - sempre aos sábados (21h) e domingos (20h) - em São Paulo, no Teatro Dias Gomes - Rua Domingos de Moraes - 348, Vila Mariana. Direção de Deto Montenegro; Assistentes de Direção Léo Pinheiro (CIA Mulungo) e Rica Santana (Menestréis Cadeirantes); Coreografia: Patrícia Kfouri e Evelyn Klein; e um grande elenco.

 Ás vezes fico pensando que nós aqui do Estado do Espírito Santo entre outros, vivemos em um mundo a parte, onde esse tipo de diversão com uma Peça de tão bom gosto - com atuação de matrixianos - é uma coisa ainda distante, inacessível aos nossos olhos.



Estamos atrasados em termos de divulgação de preciosidades como esta realizada por pessoas com deficiência.

Os empresários deveriam ficar mais atentos a esse nicho de pessoas que ao transmitirem mensagens de vida, força, cidadania, superação, vontade, emoção dentre tantas outras que se pode tirar de um espetáculo como este, estarão tranferindo também pra suas empresas esses e outros conceitos necessários na vida de todo ser humano. É a união dos matrixianos em um trabalho teatral envolvendo tanto o ser físico como o sensorial. Uma mistura dos sentidos que faz um bem danado a todos nós. A atriz Tabata Contri diz no blog do nosso Jairo que a peça se passa em várias regiões do Brasil e que traz humor, diversão mas também é uma crítica à violência, pobreza e abandono. Dá vontade de entrar no espetáculo só de assistir o vídeo, é de arrepiar.

A palavra de hoje é:
(Como gosto muito das PALAVRAS então pra cada post vou retirar uma do Dicionário Michaelis que me chame atenção ou que vier a cabeça e descrever o significado. Essa palavra pode ou não fazer sentido com o que foi publicado. A idéia é "palavrear" e transmitir de alguma forma uma sensação ou reação a quem ler).

Exemplar - "Que serve ou pode servir de exemplo. Modelo original que deve ser imitado ou copiado; exemplo. Peça. Cada indivíduo de certa espécie ou variedade. Cada um dos impressos pertencentes à mesma tiragem; número".

Comentários

  1. Olá, L@ine!

    Os empresários, não só do ES, mas do Brasil; e ouso dizer, Américas, não estão conseguindo ver nada disto, eu assisti um vídeo de uma peça de tango com um dançarino comum e uma cadeirante, que foi uma das mais belas coisas que já vi, só lamento ter formatado minha máquina e te-lo perdido, gostaria muito de poder compartilhá-lo contigo.

    Beijos e parabéns pela postagem!

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde, querida amiga Laine.

    Então vamos "palavrear":
    É muito bom esses incentivos que inserem todos, numa caminhada para dias melhores.

    Um grande abraço. Fique com Deus.

    ResponderExcluir
  3. Olá Laine, amiga-linda, passando para te desejar um ótimo e maravilhoso fim de semana. Que espetáculo encantador e sublime. Como seria bom que todas as pessoas incluindo políticos e empresários conhecessem e valorizassem tais relíquias como esta. Confesso-te que me emocionei com o vídeo. É uma das músicas que mais gosto de ouvir (Léo e Bia de Oswaldo Montenegro, amo muito) E representada assim com tanto talento, força, vida e graça. Adorei demais.
    Bjos, já te guardei no coração! Abraços!!!!

    ResponderExcluir
  4. Oi Laine hehehe

    Em primeiro quero me desculpar pela ausência neste longos dez dias, mas sabe como é voltar ao trabalho, escola, alunos , professores, pais e por aí vai. Chegava cansadona em casa e mal ia tb nos meus blogs, mas estou de volta viu? não esqueci de vc não hehehe.

    Essa trup é fantástica né? Lindo, lindo, lindo!

    Beijoooooooooooooooooooos

    ResponderExcluir
  5. Todos vocês continuam no meu coração. Adooooooro!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ser cadeirante...

O texto abaixo está circulando na internet e achei pertinente postar aqui. É fato e muitas pessoas desconhecem o assunto, ás vezes por não conviverem com um cadeirante e não saberem lidar com uma situação, outras por ignorância, e a maior parte por descaso e desrespeito do próprio Estado de oferecer uma estrutura adequada para que a gente possa viver com mais dignidade. Boa leitura!   Ser cadeirante é ter o poder de emudecer as pessoas quando você passa… Ser cadeirante é não conseguir passar despercebi­do, mesmo quando você quer sumir! E ser completamente ignorado quando existe um andante ao seu lado. E isso não faz sentido, as pernas e os braços podem não estar funcionando bem, mas o resto está!

Ser cadeirante é amar ele­vadores e rampas e detestar escadas… Tapetes? Só se fo­rem voadores, por favor! Ser cadeirante é andar de ônibus e se sentir como um “Power Ranger” a diferença é que você chega ao ponto e diz: “é hora de MOFAR”.


Ser cadeirante é ter al­guém falando com você como se você…

Pessoas com deficiência x sexo

Pessoas, encontrei o texto abaixo e achei bem informativo. Quando o assunto é pessoas com deficiência e sexo ainda existe muito tabu. Ao meu ver o ponto chave é a família. Na maior parte dos casos as famílias tentam superproteger seus filhos afastando-os da vivência plenados seus sentimentos simplemente ignorando-os.

Não falar no assunto é a melhor forma de proteção, certo? Errado. É preciso sim orientar, conversar e assimilar as necessidades de cada pessoa com deficiência, mas ignorar que deficiente não tem sentimentos, não tem desejos, que deficiente não precisa se relacionar afetivamente, não é a melhor forma de tratar o assunto. 

Não somos bonecos de porcelana, que não podem sofrer, que não podem passar por situações difíceis, que não podem se quebrar, ficar em pedaços, em frangalhos. Claro que não queremos isso, mas faz parte. Somos iguais a qualquer outra pessoa e por isso se situações difíceis surgirem é a prova que estamos vivendo, perdendo de um lado e aprendendo do outro, ou …

Devotees

Descobri o termo em uma comunidade do orkut e fiquei curiosa para saber mais a respeito. Passei a ler artigos, blogs e afins, além de discutir o assunto com alguns devotees via MSN. Ainda serei uma pesquisadora profissional heheehe. Nem sempre reconhecemos um devotee de cara, até porque não vem escrito na testa de ninguém, mas com uma conversa dá pra constatar e tirar algumas conclusões. O que não pode acontecer é nos privarmos de conhecer pessoas que possam nos satisfazer emocionalmente. 
O importante é diferenciarmos a pessoa que é um devotee por apreciar a diversidade humana, que deseja sair do óbvio, do certinho, do convencional, para o devotee patológico que só tem olhos e tesão para a deficiência com seus aparatos: cadeira de rodas, muletas e aparelhos ortopédicos. Por tudo que já li cheguei a conclusão que ser um devotee não é doença, a não ser em casos restritos que ultrapassa o bom senso como já disse. No texto abaixo teremos a definição de devotee e suas ramificações com uma …