Pular para o conteúdo principal

Pratyko


Gente, este é meu futuro carro. Tudo que precisava e não tinha visto nada parecido ainda. Descobri esse projeto encantador em um post no Blog do Cadeirante do Alessandro Fernandes.

O nome do carro é Pratyko e está em fase de desenvolvimento ainda. A iniciativa de tocar esse projeto partiu de um cadeirante de Lages (SC) - Marcio David. Um veículo voltado para cadeirantes cujo objetivo é auxiliá-los na locomoção sem precisarem da ajuda de outras pessoas. O próprio cadeirante entra pela traseira através de um elevador elétrico acionado por controle remoto. E é da cadeira manual ou motorizada que a pessoa dirige, não há necessidade da transferência o que no meu caso é o TOP dos TOPs porque é tudo que necessito.

Visite o site http://www.pratyko.com.br/ e lá vocês irão encontrar todas as informações complementares, poderão visualizar vídeos de apresentação e o carro em ação pelas ruas. Além disso o site conta ainda com uma enquete e formas de contato.

Empresários, a sua contribuição é muito importante, pois assim estarão agregando valores de superação, de cidadania, de vida dentre outros à suas empresas. A colaboração e o empreendimento de todos é de extremo valor para que possamos ver o Pratyko nas ruas. Um projeto fantástico que vai dar muito o que falar ainda.

Comentários

  1. Interessante! O carro parece ótimo! Mas será que não é muito caro? E passageiros, será dá pra levar?
    Haha

    Obrigada pela visita, e me desculpe a demora ao retribuir. Volto aqui outras vezes. =)
    Te sigo. ;)
    BjO

    ResponderExcluir
  2. Meu Deus que coisa fantástica isso. Uma liberdade a mais pros cadeirantes. lindo projeto esse, que sem dúvida merece o apoio de empresários para ser levado adiante. Tenha uma ótima tarde querida. Bjokitas

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde, querida amiga Cristal.

    Além de prático, o carro é lindo!!
    Vai trazer muito conforto e alegria.
    Tomara que popularize para servir a muitos.

    Um grande abraço.

    Tenha uma linda noite, cheia de paz e alegrias.

    ResponderExcluir
  4. Olá Elaine.
    Aqui é Márcio David, um dos desenvolvedores do PRATYKO, fiquei muito feliz com seus post, estamos tentando divulgar essa ideia e levantar os recursos para tocar o projeto. Algumas dúvidas sempre surgem como pude notar nos comentários.
    Nosso objetivo é comercializar o PRATYKO em torno de R$20 Mil, mas vamos buscar todo tipo de insentivo, isenções, subsídeos enfim tudo que puder reduzir o custo, não queremos criar algo elitizado, mas sim popular, com qualidade e que atenda o público para qual ele se destina.
    Temos projetos para um modelo com um banco extra para acompanhantes, visto que é uma grande pedida que estamos tendo em nosso site.
    Acompanhem nosso site, estamos sempre atualizando, divulguem se possível, agradeço de coração a todos que estão abraçando essa idéia.
    Um Forte Abraço.

    Márcio David
    Equipe Mão na Roda.

    ResponderExcluir
  5. Uauuuuuuuuuuuuuuu.......não sou cadeirane, mas quero um hehehehe
    Que máximo Laine...Vou ficar na torcida que o projeto logo esteja nas ruas. Muito bom.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Que beleza!!!! Já me imaginei num belo passeio pela cidade. Querida quando compra me convida p/ um passeio?

    ♫ Vou de carro, adaptado ♫
    Mas só com vc, só com vc =)

    Beijinho!!!

    ResponderExcluir
  7. Amiga... tdo de bom ne! Presenciarmos que em diferentes ambitos da nossa sociedade a importancia e o investimento em acessibilidade esta acontecendo. Diga-se de passagem q aqui no nosso brasil, esta em passos de formiga, massss haveremos de ver...bjos linda
    obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  8. Muito bommmmmmmmmmmmm!!!

    É 100% nacional?
    E baixar os custos, será excelente!

    Te vi no Profex, através da Vitrine Jubiart, mas o meu blog oficial é http://www.jubiart.com.br/

    Amei o seu espaço, ganhaste uma admiradora e visitante constante...

    Beijooooooooooooo

    ResponderExcluir
  9. Maíra, são questões que ainda devem ser discutidas. Abçs!

    Muito bacana mesmo Nikita. Abçs!

    Amapol, uma idéia fantástica mesmo.

    Márcio, fiquei muito contente com o seu retorno.

    Kekel, eu também estou a torcida.

    Janinha, já está convidadíssima.

    Dá, sim é verdade. As mudanças estão acontecendo mesmo que a passos de formiga.

    Bia, sim é 100% nacional. Obrigada pelo coment.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ser cadeirante...

O texto abaixo está circulando na internet e achei pertinente postar aqui. É fato e muitas pessoas desconhecem o assunto, ás vezes por não conviverem com um cadeirante e não saberem lidar com uma situação, outras por ignorância, e a maior parte por descaso e desrespeito do próprio Estado de oferecer uma estrutura adequada para que a gente possa viver com mais dignidade. Boa leitura!   Ser cadeirante é ter o poder de emudecer as pessoas quando você passa… Ser cadeirante é não conseguir passar despercebi­do, mesmo quando você quer sumir! E ser completamente ignorado quando existe um andante ao seu lado. E isso não faz sentido, as pernas e os braços podem não estar funcionando bem, mas o resto está!

Ser cadeirante é amar ele­vadores e rampas e detestar escadas… Tapetes? Só se fo­rem voadores, por favor! Ser cadeirante é andar de ônibus e se sentir como um “Power Ranger” a diferença é que você chega ao ponto e diz: “é hora de MOFAR”.


Ser cadeirante é ter al­guém falando com você como se você…

Pessoas com deficiência x sexo

Pessoas, encontrei o texto abaixo e achei bem informativo. Quando o assunto é pessoas com deficiência e sexo ainda existe muito tabu. Ao meu ver o ponto chave é a família. Na maior parte dos casos as famílias tentam superproteger seus filhos afastando-os da vivência plenados seus sentimentos simplemente ignorando-os.

Não falar no assunto é a melhor forma de proteção, certo? Errado. É preciso sim orientar, conversar e assimilar as necessidades de cada pessoa com deficiência, mas ignorar que deficiente não tem sentimentos, não tem desejos, que deficiente não precisa se relacionar afetivamente, não é a melhor forma de tratar o assunto. 

Não somos bonecos de porcelana, que não podem sofrer, que não podem passar por situações difíceis, que não podem se quebrar, ficar em pedaços, em frangalhos. Claro que não queremos isso, mas faz parte. Somos iguais a qualquer outra pessoa e por isso se situações difíceis surgirem é a prova que estamos vivendo, perdendo de um lado e aprendendo do outro, ou …

Devotees

Descobri o termo em uma comunidade do orkut e fiquei curiosa para saber mais a respeito. Passei a ler artigos, blogs e afins, além de discutir o assunto com alguns devotees via MSN. Ainda serei uma pesquisadora profissional heheehe. Nem sempre reconhecemos um devotee de cara, até porque não vem escrito na testa de ninguém, mas com uma conversa dá pra constatar e tirar algumas conclusões. O que não pode acontecer é nos privarmos de conhecer pessoas que possam nos satisfazer emocionalmente. 
O importante é diferenciarmos a pessoa que é um devotee por apreciar a diversidade humana, que deseja sair do óbvio, do certinho, do convencional, para o devotee patológico que só tem olhos e tesão para a deficiência com seus aparatos: cadeira de rodas, muletas e aparelhos ortopédicos. Por tudo que já li cheguei a conclusão que ser um devotee não é doença, a não ser em casos restritos que ultrapassa o bom senso como já disse. No texto abaixo teremos a definição de devotee e suas ramificações com uma …