Pular para o conteúdo principal

De volta


Muitas coisas aconteceram. Estou de volta e vou contar à vocês, em partes, como minha vida está ultimamente. Lembram a saga da minha cadeira motorizada? Pois é, ela chegou depois de muitos disse me disse da loja que fiz a compra. Aí está ela.

Foi necessário eu entrar na justiça para receber a cadeira. Relatei tudo que tinha ocorrido comigo por estar sem a motorizada, quatro meses de espera após a compra. Emprego novo, pessoas novas, transporte adaptado - fiquei envolvida no dia a dia com essas novidades que me pegaram num momento em que mais precisava da motorizada. Passei por constrangimentos que ficarão marcados pra sempre na minha vida. Motoristas do serviço especial Mão na Roda que não queriam me pegar no local ao qual eu aguardava quando saia do trabalho, com a justificativa simplesmente de que eles não tinham nenhuma obrigação de empurrar a cadeira. Mesmo eu deixando bem claro que era uma situação provisória. Minha gente, todos nós precisamos um do outro, ninguém é auto suficiente, e um dia qualquer um pode se encontrar numa situação parecida. 

Chegar num local de trabalho desconhecido sem ter autonomia de ir e vir me deixou abalada emocional e fisicamente, mesmo estando num ambiente de trabalho no qual pude contar com a ajuda dos colegas ao qual conheci e passei a conviver. Mesmo assim, não conseguia me alimentar como deveria nas refeições que fazia no hospital (meu local de trabalho). O corpo reagiu. Resultado: pneumonia.

Qual era a minha idéia? Comprar a motorizada assim que tivesse a certeza que seria contratada. E foi o que fiz, porém fiquei nesse dilema de receber a cadeira por quatro meses, sendo que eles deram um prazo de vinte dias para que a cadeira chegasse. Três dias depois de eu ter entrado na justiça - chega a mais que esperada motorizada. Ufa! Um alívio. Mas, agora em outubro terei uma audiência por danos morais. Espero que nesse dia, o juiz tenha a sensibilidade suficiente para analisar os fatos e dicernir pelo bom senso do perrengue que passei. 

Além disso tudo, ainda tive complicações com minha conta bancária - eles entraram com os cheques que dei sem eu receber a cadeira. Perdi dias de trabalho para resolver essas pendências, sendo que ainda estava em período de experiência na empresa. Bom, mas o importante é que já estou com a cadeira motorizada zero quilômetro - modelo SX, da Freedom. Poder sentir de novo a leveza de ter autonomia sobre mim mesma, é uma sensação indescritível. E partilhar essa minha história de vida aqui, me traz uma satisfação muito grande. 

Por maiores que sejam as dificuldades, quando se tem o apoio da família como eu tive, para poder solucionar todas essas pendências e descasos das pessoas envolvidas nesta história, digo que ainda é possível sonhar com dias melhores. Agora sim, já posso fazer as tarefas mais simples do meu dia a dia - como escovar os dentes, atender o telefone dentre tantas outras, sem depender de terceiros.  

Enfim, os dias sombrios ficaram para trás, agora é só alegria!

Comentários

  1. Estava sempre entrando aqui e achei que Você havia abandonado o blog! Que bom que tudo está dando certo para você!
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  2. Jussara,
    não abandonei não. Queria muito estar mais presente, dando a devida atenção a vocês, mas o meu ritmo de vida mudou muito. Saio de casa 6:40 da manhã e só volto a noite, às 19:30h mais ou menos. Chego morta em casa, é só o tempo de tomar banho, comer alguma coisa e dormir. Continue visitando o blog, mesmo que eu demore, responderei a todos. Bjo grande!

    ResponderExcluir
  3. Gostei da cadeira, é meu sonho ter uma assim... Dou maior força pra que tudo de certo no seu novo trabalho. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Minha amiga, tenho passado por esta também com minha cadeira de rodas motorizada (FRIDOM). Ela nos propociona uma liberdade e bem estar que nos deixa depente dela, sendo que quando dá problema o problema maior é o conserto que demora muito até 60 dias. Estou com processo contra este fabricante também.

    abraço amiga.

    Elton Britto

    ResponderExcluir
  5. Luis, obrigada pelo incentivo e força. Com certeza um dia terá uma cadeira motorizada também. Abçs e bem vindo!

    Elton, é por aí mesmo. É tenso mas a luta continua. Abçs e bem vindo ao blog.

    ResponderExcluir
  6. lyzania.queiroz@live.com5 de junho de 2012 13:13

    OI Elaine adorei seu blog, você realmente é uma verdadeira guerreira.
    olha só eu tbm trabalho e estou tendo dificuldades na minha locomção preciso urgente comprar uma motorizada,mas não sei nem por onde começar sabe? não entendo nada sobre modelos marcas será q vc pode me dar um help?obrigada bj

    ResponderExcluir
  7. Olá Lyzania, obrigada por estar fazendo parte da minha história através do blog. Quanto à cadeira de rodas motorizada exite o site da freedom, www.freedom.ind.br que você pode acessar para ver os modelos, preço e daí decidir qual se encaixa melhor para o seu caso. A minha é a SX, mas para comprar você tem que procurar uma revendedora mais próxima da sua casa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ser cadeirante...

O texto abaixo está circulando na internet e achei pertinente postar aqui. É fato e muitas pessoas desconhecem o assunto, ás vezes por não conviverem com um cadeirante e não saberem lidar com uma situação, outras por ignorância, e a maior parte por descaso e desrespeito do próprio Estado de oferecer uma estrutura adequada para que a gente possa viver com mais dignidade. Boa leitura!   Ser cadeirante é ter o poder de emudecer as pessoas quando você passa… Ser cadeirante é não conseguir passar despercebi­do, mesmo quando você quer sumir! E ser completamente ignorado quando existe um andante ao seu lado. E isso não faz sentido, as pernas e os braços podem não estar funcionando bem, mas o resto está!

Ser cadeirante é amar ele­vadores e rampas e detestar escadas… Tapetes? Só se fo­rem voadores, por favor! Ser cadeirante é andar de ônibus e se sentir como um “Power Ranger” a diferença é que você chega ao ponto e diz: “é hora de MOFAR”.


Ser cadeirante é ter al­guém falando com você como se você…

Pessoas com deficiência x sexo

Pessoas, encontrei o texto abaixo e achei bem informativo. Quando o assunto é pessoas com deficiência e sexo ainda existe muito tabu. Ao meu ver o ponto chave é a família. Na maior parte dos casos as famílias tentam superproteger seus filhos afastando-os da vivência plenados seus sentimentos simplemente ignorando-os.

Não falar no assunto é a melhor forma de proteção, certo? Errado. É preciso sim orientar, conversar e assimilar as necessidades de cada pessoa com deficiência, mas ignorar que deficiente não tem sentimentos, não tem desejos, que deficiente não precisa se relacionar afetivamente, não é a melhor forma de tratar o assunto. 

Não somos bonecos de porcelana, que não podem sofrer, que não podem passar por situações difíceis, que não podem se quebrar, ficar em pedaços, em frangalhos. Claro que não queremos isso, mas faz parte. Somos iguais a qualquer outra pessoa e por isso se situações difíceis surgirem é a prova que estamos vivendo, perdendo de um lado e aprendendo do outro, ou …

Devotees

Descobri o termo em uma comunidade do orkut e fiquei curiosa para saber mais a respeito. Passei a ler artigos, blogs e afins, além de discutir o assunto com alguns devotees via MSN. Ainda serei uma pesquisadora profissional heheehe. Nem sempre reconhecemos um devotee de cara, até porque não vem escrito na testa de ninguém, mas com uma conversa dá pra constatar e tirar algumas conclusões. O que não pode acontecer é nos privarmos de conhecer pessoas que possam nos satisfazer emocionalmente. 
O importante é diferenciarmos a pessoa que é um devotee por apreciar a diversidade humana, que deseja sair do óbvio, do certinho, do convencional, para o devotee patológico que só tem olhos e tesão para a deficiência com seus aparatos: cadeira de rodas, muletas e aparelhos ortopédicos. Por tudo que já li cheguei a conclusão que ser um devotee não é doença, a não ser em casos restritos que ultrapassa o bom senso como já disse. No texto abaixo teremos a definição de devotee e suas ramificações com uma …