Pular para o conteúdo principal

A alma dos diferentes



Hoje trago à vocês uma poesia cheia de encanto,
 de quem enxergava o mundo sob uma ótica humana, sensível e real. 
Boa leitura!

Ah, o diferente, esse ser especial!


Diferente não é quem pretenda ser.Esse é um imitador do que
ainda não foi imitado,
nunca um ser diferente.


Diferente é quem foi dotado


de alguns mais e de alguns menos em hora,
momento e lugar errados para os outros.Que riem de inveja de não serem assim.
E de medo de não agÿentar,
caso um dia venham a ser.
O diferente é um ser sempre
mais próximo da perfeição.O diferente nunca é um chato.
Mas é sempre confundido
por pessoas menos sensíveis e avisadas.
Supondo encontrar um chato
onde está um diferente,
talentos são rechaçados;
vitórias, adiadas;
esperanças, mortas.Um diferente medroso, este sim,
acaba transformando-se num chato.
Chato é um diferente que não vingou.


Os diferentes muito inteligentes


percebem porque os outros
não os entendem.


Os diferentes raivosos


acabam tendo razão sozinhos,
contra o mundo inteiro.


Diferente que se preza entende


o porquê de quem o agride.


Se o diferente se mediocrizar,


mergulhará no complexo de inferioridade.


O diferente paga sempre o preço de estar


- mesmo sem querer –
alterando algo, ameaçando rebanhos,
carneiros e pastores.
O diferente suporta e digere a ira do irremediavelmente igual,
a inveja do comum, o ódio do mediano.


O verdadeiro diferente


sabe que nunca tem razão,
mas que está sempre certo.


O diferente começa a sofrer cedo,


já no primário, onde os demais, de mãos dadas,
e até mesmo alguns adultos,
por omissão, se unem para transformar
o que é peculiaridade e potencial
em aleijão e caricatura.
O que é percepção aguçada em:
“Puxa, fulano, como você é complicado”.
O que é o embrião de um estilo próprio em:
“Você não está vendo como todo mundo faz?”


O diferente carrega desde cedo apelidos


e marcações os quais acaba incorporando.
Só os diferentes mais fortes do que o mundo
se transformaram (e se transformam)
nos seus grandes modificadores.


Diferente é o que vê mais longe do que o consenso.


O que se nte antes mesmo dos demais
começarem a perceber.
Diferente é o que se emociona
enquanto todos em torno,
agridem e gargalham.
É o que engorda mais um pouco;
chora onde outros xingam;
estuda onde outros burram.
Quer onde outros cansam.
Espera de onde já não vem.
Sonha entre realistas.
Concretiza entre sonhadores.
Fala de leite em reunião de bêbados.
Cria onde o hábito rotiniza.
Sofre onde os outros ganham.


Diferente é o que fica doendo


onde a alegria impera.
Aceita empregos que ninguém supõe.
Perde horas em coisas que
só ele sabe importantes.
Engorda onde não deve.
Diz sempre na hora de calar.
Cala nas horas erradas.
Não desiste de lutar pela harmonia.
Fala de amor no meio da guerra.
Deixa o adversário fazer o gol,
porque gosta mais de jogar do que de ganh ar.


Ele aprendeu a superar riso,


deboche, escárnio,
e consciência dolorosa de
que a média é má porque é igual.


Os diferentes aí estão:


enfermos, paralíticos, machucados, engordados,
magros demais, inteligentes em excesso,
bons demais para aquele cargo,
excepcionais, narigudos, barrigudos,
joelhudos, de pé grande, de roupas erradas,
cheios de espinhas, de mumunha,
de malícia ou de baba.


Aí estão, doendo e doendo,


mas procurando ser,
conseguindo ser,
sendo muito mais.


A alma dos diferentes é feita de uma luz além.


Sua estrela tem moradas deslumbrantes
que eles guardam para os pouco capazes
de os sentir e entender.
Nessas morada s estão
tesouros da ternura humana.
De que só os diferentes são capazes.


Não mexa com o amor de um diferente.


A menos que você seja suficientemente forte
para suportá-lo depois.


                                                                                               Artur da Távola

Comentários

  1. Um belo texto!! A sociedade sempre critica aquele que não se encaixa em seus moldes :(

    Elaine, vim lhe fazer um convite!
    Você participou de edições anteriores do BookCrossing Blogueiro (Vamos esquecer um livro?) e no dia 08 de Novembro, terça-feira, acontecerá a 3ª Edição. Nesta postagem faço a chamada e gostaria de contar mais uma vez com a sua presença e/ou divulgação.
    No blogue explico porque a chamada ficou para a última hora.
    Bom fim de semana!
    Beijus,

    ResponderExcluir
  2. Luma Rosa, obrigada pelo coments. Participei sim desta edição, porém não cheguei a publicar, mas é sempre muito legal, parabéns pela iniciativa.

    ResponderExcluir
  3. Um texto muito profundo e inspirador para os diferentes. Eu sofri bullying durante todos os anos de escola... e me vi em vários trechos da poesia ^^ Também sou diferente de outras formas, muitas na verdade rss E gostei de ver que você compartilhou isso, porque sinto que você também é. Temos isso em comum ^.~

    ResponderExcluir
  4. Pedro, somos todos diferentes. Que graça teria o mundo se fossemos iguais? Te curto muito no face. Abçs!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ser cadeirante...

O texto abaixo está circulando na internet e achei pertinente postar aqui. É fato e muitas pessoas desconhecem o assunto, ás vezes por não conviverem com um cadeirante e não saberem lidar com uma situação, outras por ignorância, e a maior parte por descaso e desrespeito do próprio Estado de oferecer uma estrutura adequada para que a gente possa viver com mais dignidade. Boa leitura!   Ser cadeirante é ter o poder de emudecer as pessoas quando você passa… Ser cadeirante é não conseguir passar despercebi­do, mesmo quando você quer sumir! E ser completamente ignorado quando existe um andante ao seu lado. E isso não faz sentido, as pernas e os braços podem não estar funcionando bem, mas o resto está!

Ser cadeirante é amar ele­vadores e rampas e detestar escadas… Tapetes? Só se fo­rem voadores, por favor! Ser cadeirante é andar de ônibus e se sentir como um “Power Ranger” a diferença é que você chega ao ponto e diz: “é hora de MOFAR”.


Ser cadeirante é ter al­guém falando com você como se você…

Pessoas com deficiência x sexo

Pessoas, encontrei o texto abaixo e achei bem informativo. Quando o assunto é pessoas com deficiência e sexo ainda existe muito tabu. Ao meu ver o ponto chave é a família. Na maior parte dos casos as famílias tentam superproteger seus filhos afastando-os da vivência plenados seus sentimentos simplemente ignorando-os.

Não falar no assunto é a melhor forma de proteção, certo? Errado. É preciso sim orientar, conversar e assimilar as necessidades de cada pessoa com deficiência, mas ignorar que deficiente não tem sentimentos, não tem desejos, que deficiente não precisa se relacionar afetivamente, não é a melhor forma de tratar o assunto. 

Não somos bonecos de porcelana, que não podem sofrer, que não podem passar por situações difíceis, que não podem se quebrar, ficar em pedaços, em frangalhos. Claro que não queremos isso, mas faz parte. Somos iguais a qualquer outra pessoa e por isso se situações difíceis surgirem é a prova que estamos vivendo, perdendo de um lado e aprendendo do outro, ou …

Devotees

Descobri o termo em uma comunidade do orkut e fiquei curiosa para saber mais a respeito. Passei a ler artigos, blogs e afins, além de discutir o assunto com alguns devotees via MSN. Ainda serei uma pesquisadora profissional heheehe. Nem sempre reconhecemos um devotee de cara, até porque não vem escrito na testa de ninguém, mas com uma conversa dá pra constatar e tirar algumas conclusões. O que não pode acontecer é nos privarmos de conhecer pessoas que possam nos satisfazer emocionalmente. 
O importante é diferenciarmos a pessoa que é um devotee por apreciar a diversidade humana, que deseja sair do óbvio, do certinho, do convencional, para o devotee patológico que só tem olhos e tesão para a deficiência com seus aparatos: cadeira de rodas, muletas e aparelhos ortopédicos. Por tudo que já li cheguei a conclusão que ser um devotee não é doença, a não ser em casos restritos que ultrapassa o bom senso como já disse. No texto abaixo teremos a definição de devotee e suas ramificações com uma …