Pular para o conteúdo principal

"Delícias e desafios na maternidade de mulheres cadeirantes"

Por Ludmila Pecine, com a colaboração de Rayssa Santo    
                                                          

O livro "Maria de Rodas - Delícias e desafios na maternidade de mulheres cadeirantes" será lançado  nesta quarta-feira (27) no Teatro do Sesi, em Jardim da Penha, às 20 horas.

Com experiências compartilhadas por mulheres cadeirantes, a obra narra acontecimentos, desafios e dicas que incentivam e informam mulheres com deficiência e profissionais da saúde sobre a gravidez de cadeirantes. O lançamento do livro conta com a participação das autoras, que vão distribuir autógrafos durante a noite.
A obra partiu da autora Tatiana Rolim, que convidou as amigas Flávia Cintra, Carolina Ignarra e Juliana Oliveira para escrever sobre o assunto. Para a coordenadora dos Serviços de Convivência para Pessoas com Deficiência de Vitória, Mariana Barbosa, esse é um tema fundamental para ser discutido no âmbito social e da saúde.
"É a primeira vez que ocorre um debate sobre o assunto aqui em Vitória. É um orgulho para a cidade. É importante mostrar que o fato de a mulher ser cadeirante não a impede de ser mãe, todas podem vivenciar isso. Na saúde, médicos podem se informar e debater sobre o tema para que ampliem e melhorem  o atendimento na área. É fundamental que a sociedade procure se informar para quebrar mitos e tabus que ainda cercam o assunto".
Cadeirante, mãe de uma menina de sete anos, Carolina Ignarra, 31 anos, uma das autoras do livro, conta que a obra é reflexo de sua experiência e de outras autoras.
"Temos tido resultados incríveis. Conversamos com grupos de médicos que agora estão mais abertos ao assunto. Temos depoimentos de pessoas com deficiência que contam casos em que profissionais da saúde diziam que a maternidade no caso delas era impossível. Queremos mostrar à sociedade que existem muitas possibilidades de vivenciar a experiência da maternidade, independente de ser cadeirante ou não", ressalta.


Lançamento do livro "Maria de Rodas - Delícias e desafios na maternidade de mulheres cadeirantes"

Autoras: Carolina Ignarra, Flávia Cintra, Juliana Oliveira e Tatiana Rolim
Dia: 27 de junho
Coletiva de Imprensa:19h
Lançamento às 20 horas.
Local: Teatro do Sesi. Rua Tupinambás, 240, Jardim da Penha – Vitória (ES).

Vamos prestigiar e esclarecer dúvidas que pairam sobre nossas cabeças com o "Maria de Rodas". E ainda tem a versão especial de áudio livro como mostra a capa acima.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ser cadeirante...

O texto abaixo está circulando na internet e achei pertinente postar aqui. É fato e muitas pessoas desconhecem o assunto, ás vezes por não conviverem com um cadeirante e não saberem lidar com uma situação, outras por ignorância, e a maior parte por descaso e desrespeito do próprio Estado de oferecer uma estrutura adequada para que a gente possa viver com mais dignidade. Boa leitura!   Ser cadeirante é ter o poder de emudecer as pessoas quando você passa… Ser cadeirante é não conseguir passar despercebi­do, mesmo quando você quer sumir! E ser completamente ignorado quando existe um andante ao seu lado. E isso não faz sentido, as pernas e os braços podem não estar funcionando bem, mas o resto está!

Ser cadeirante é amar ele­vadores e rampas e detestar escadas… Tapetes? Só se fo­rem voadores, por favor! Ser cadeirante é andar de ônibus e se sentir como um “Power Ranger” a diferença é que você chega ao ponto e diz: “é hora de MOFAR”.


Ser cadeirante é ter al­guém falando com você como se você…

Pessoas com deficiência x sexo

Pessoas, encontrei o texto abaixo e achei bem informativo. Quando o assunto é pessoas com deficiência e sexo ainda existe muito tabu. Ao meu ver o ponto chave é a família. Na maior parte dos casos as famílias tentam superproteger seus filhos afastando-os da vivência plenados seus sentimentos simplemente ignorando-os.

Não falar no assunto é a melhor forma de proteção, certo? Errado. É preciso sim orientar, conversar e assimilar as necessidades de cada pessoa com deficiência, mas ignorar que deficiente não tem sentimentos, não tem desejos, que deficiente não precisa se relacionar afetivamente, não é a melhor forma de tratar o assunto. 

Não somos bonecos de porcelana, que não podem sofrer, que não podem passar por situações difíceis, que não podem se quebrar, ficar em pedaços, em frangalhos. Claro que não queremos isso, mas faz parte. Somos iguais a qualquer outra pessoa e por isso se situações difíceis surgirem é a prova que estamos vivendo, perdendo de um lado e aprendendo do outro, ou …

Devotees

Descobri o termo em uma comunidade do orkut e fiquei curiosa para saber mais a respeito. Passei a ler artigos, blogs e afins, além de discutir o assunto com alguns devotees via MSN. Ainda serei uma pesquisadora profissional heheehe. Nem sempre reconhecemos um devotee de cara, até porque não vem escrito na testa de ninguém, mas com uma conversa dá pra constatar e tirar algumas conclusões. O que não pode acontecer é nos privarmos de conhecer pessoas que possam nos satisfazer emocionalmente. 
O importante é diferenciarmos a pessoa que é um devotee por apreciar a diversidade humana, que deseja sair do óbvio, do certinho, do convencional, para o devotee patológico que só tem olhos e tesão para a deficiência com seus aparatos: cadeira de rodas, muletas e aparelhos ortopédicos. Por tudo que já li cheguei a conclusão que ser um devotee não é doença, a não ser em casos restritos que ultrapassa o bom senso como já disse. No texto abaixo teremos a definição de devotee e suas ramificações com uma …