Pular para o conteúdo principal

Agora que a ficha caiu

Parece que foi ontem que fui contratada pelo Vitória Apart Hospital. Dentre tantas mudanças (adaptação de setor, a compra e a chegada da minha cadeira motorizada, mudança de setor), completei um ano na empresa dia 4 de maio. Para relembrar minha trajetória clique nos links a seguir: Incansável IIncansável IIDe voltaNesse tempo, conheci novas pessoas, aprendi com elas, fiz novas amizades. Resultado: férias. 

Agora que a ficha caiu. Sim meus caros, tenho um mês para acordar tarde, ir à praia, estar mais com a família, papear com os amigos. Vou aproveitar e fazer umas adaptações na minha postura corporal. Preciso confeccionar uma almofada mais fina para sentar na cadeira com mais conforto  (a que estou utilizando peguei da minha cadeira manual e não é nada ajustável ao meu corpo). Preciso também levar meu colete a uma ortopedia para fazer um furo na correia (quem não sabe utilizo um colete ortopédico que sustenta meu corpo - mas deixo maiores detalhes para um post exclusivo sobre o assunto). Agora sim estou mais tranquila depois de tantas mudanças. É tempo de recarregar as energias para voltar ao trabalho a todo vapor.

Comentários

  1. Elaine voce é um exemplo de mulher e superação.
    Siga em frente, precisamos inspirar outras pessoas com deficiência a participar de todos os setores da vida social.

    ResponderExcluir
  2. tenho distrofias muscular e não sou acompanhada por nem um hospital mim ajude sou muito sozinha meu nome e rejane maria de vasconcelos preciso de ajuda

    ResponderExcluir
  3. É isso aí Marcos!

    Rejane, também não tenho nenhum acompanhamento especial. Quer uma dica? Viva a vida de acordo com as suas possibilidades e verá que poderá fazer mais coisas que pensas que podes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ser cadeirante...

O texto abaixo está circulando na internet e achei pertinente postar aqui. É fato e muitas pessoas desconhecem o assunto, ás vezes por não conviverem com um cadeirante e não saberem lidar com uma situação, outras por ignorância, e a maior parte por descaso e desrespeito do próprio Estado de oferecer uma estrutura adequada para que a gente possa viver com mais dignidade. Boa leitura!   Ser cadeirante é ter o poder de emudecer as pessoas quando você passa… Ser cadeirante é não conseguir passar despercebi­do, mesmo quando você quer sumir! E ser completamente ignorado quando existe um andante ao seu lado. E isso não faz sentido, as pernas e os braços podem não estar funcionando bem, mas o resto está!

Ser cadeirante é amar ele­vadores e rampas e detestar escadas… Tapetes? Só se fo­rem voadores, por favor! Ser cadeirante é andar de ônibus e se sentir como um “Power Ranger” a diferença é que você chega ao ponto e diz: “é hora de MOFAR”.


Ser cadeirante é ter al­guém falando com você como se você…

Pessoas com deficiência x sexo

Pessoas, encontrei o texto abaixo e achei bem informativo. Quando o assunto é pessoas com deficiência e sexo ainda existe muito tabu. Ao meu ver o ponto chave é a família. Na maior parte dos casos as famílias tentam superproteger seus filhos afastando-os da vivência plenados seus sentimentos simplemente ignorando-os.

Não falar no assunto é a melhor forma de proteção, certo? Errado. É preciso sim orientar, conversar e assimilar as necessidades de cada pessoa com deficiência, mas ignorar que deficiente não tem sentimentos, não tem desejos, que deficiente não precisa se relacionar afetivamente, não é a melhor forma de tratar o assunto. 

Não somos bonecos de porcelana, que não podem sofrer, que não podem passar por situações difíceis, que não podem se quebrar, ficar em pedaços, em frangalhos. Claro que não queremos isso, mas faz parte. Somos iguais a qualquer outra pessoa e por isso se situações difíceis surgirem é a prova que estamos vivendo, perdendo de um lado e aprendendo do outro, ou …

Devotees

Descobri o termo em uma comunidade do orkut e fiquei curiosa para saber mais a respeito. Passei a ler artigos, blogs e afins, além de discutir o assunto com alguns devotees via MSN. Ainda serei uma pesquisadora profissional heheehe. Nem sempre reconhecemos um devotee de cara, até porque não vem escrito na testa de ninguém, mas com uma conversa dá pra constatar e tirar algumas conclusões. O que não pode acontecer é nos privarmos de conhecer pessoas que possam nos satisfazer emocionalmente. 
O importante é diferenciarmos a pessoa que é um devotee por apreciar a diversidade humana, que deseja sair do óbvio, do certinho, do convencional, para o devotee patológico que só tem olhos e tesão para a deficiência com seus aparatos: cadeira de rodas, muletas e aparelhos ortopédicos. Por tudo que já li cheguei a conclusão que ser um devotee não é doença, a não ser em casos restritos que ultrapassa o bom senso como já disse. No texto abaixo teremos a definição de devotee e suas ramificações com uma …