Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2013

Jornal Estado Capixaba - Em pauta: mercado de trabalho para PCDs

Mais uma entrevista, agora para o jornal local Estado Capixaba. É necessário que relatemos a real situação, o porque das empresas não conseguirem atingir o número de PCDs que devem ser contratados de acordo com a lei de cotas. Confiram abaixo.

Entrevista cedida para a Rádio CBN Vitória

Mais uma vez estou aqui para descrever o que penso do mercado de trabalho para PCDs (Pessoas com Deficiência). 

Seguem algumas considerações e logo abaixo segue o link de uma pequena entrevista cedida para a rádio CBN Vitória.
Ainda existe muito desconhecimento quando se trata de empregar um PCD. É claro que cada caso é um caso quando se fala da condição de um deficiente. 

As empresas de recrutamento e seleção precisam ter um olhar diferenciado no processo seletivo. 

Não pode-se negar a questão de adaptação do espaço físico e até mesmo na recepção dos colegas de trabalho em um novo emprego, respeitando e aprendendo lidar com seus limites físicos para que ele tenha a necessária autonomia nas suas tarefas diárias. 

Somente assim abre-se um leque de oportunidades para que o deficiente se sinta não só ciente de suas obrigações mas que também seja colocado num patamar de igualdade com os demais, não sendo apenas um colaborador e sim um colaborador em potencial.
Mas ainda não chegamos nesse nível…

Que venham boas novas!

Coração apertado. Nem tudo pode ou deve ser dito, apenas sentido. Na intensidade desses momentos deixo me levar e elevar. Transito entre o ser e o estar. Busco na inquietação a serenidade e o desenrolar dos fatos. 
Apenas sinto!

17/07/13 - Elaine Chieppe

Nota - Walmart - direito banido

É lamentável uma rede de hipermercados multinacional como Walmart não estar devidamente preparado e dentro das normas para receber os cadeirantes. Sou deficiente física e cadeirante, resolvi conhecer o local que fica na Av. Nossa Senhora da Penha em Vitória.

Ao chegar, fui barrada na porta principal por não ter uma distância adequada para passar uma cadeira de rodas, ou seja, só andantes tem acesso e na lateral onde existe um espaço que seria ideal para eu passar, me deparei com uma corrente que não podia ser retirada.

Fui obrigada a entrar pela garagem correndo o risco de ser atropelada por carros que saiam e que não tinham nenhuma visibilidade da minha pessoa, além disso os redutores de velocidade também impediam a minha entrada.Consegui finalmente uma passagem porque um desses redutores estava deslocado. Me senti excluída e banida dos meus direitos como consumidora potencial.   
No dia que aconteceu o fato, desceu segurança, gerente e até uma pessoa que se apresentou sendo do Cons…