Pular para o conteúdo principal

Nota - Walmart - direito banido




É lamentável uma rede de hipermercados multinacional como Walmart não estar devidamente preparado e dentro das normas para receber os cadeirantes. Sou deficiente física e cadeirante, resolvi conhecer o local que fica na Av. Nossa Senhora da Penha em Vitória.

Ao chegar, fui barrada na porta principal por não ter uma distância adequada para passar uma cadeira de rodas, ou seja, só andantes tem acesso e na lateral onde existe um espaço que seria ideal para eu passar, me deparei com uma corrente que não podia ser retirada.

Fui obrigada a entrar pela garagem correndo o risco de ser atropelada por carros que saiam e que não tinham nenhuma visibilidade da minha pessoa, além disso os redutores de velocidade também impediam a minha entrada.Consegui finalmente uma passagem porque um desses redutores estava deslocado. Me senti excluída e banida dos meus direitos como consumidora potencial.   

No dia que aconteceu o fato, desceu segurança, gerente e até uma pessoa que se apresentou sendo do Conselho de Pessoas com Deficiência. Tentaram amenizar a situação com uma conversa que não surtiu nenhum efeito. Não vamos deixar que fatos como estes passem em branco. Notifiquem!   

Comentários

  1. Oi Elaine, eu nao sou cadeirante, mas tenho mobilidade reduzida. Vc esta certissima, eu mobilizo o papa se preciso for, para q nossos direitos sejam levados a serio. Ainda q nao tenhamos resultados imediatos, precisamos sim nos mobilizar e requerer o q nos cabe. bbjo imenso Dazinha

    ResponderExcluir
  2. Oi, Nane!!

    Na cidade onde mora, não teria um orgão para você denunciar o supermercado? Não sei em qual deles poderia reclamar, mas quem sabe o PROCON? Acho que a denúncia pode ser feita por telefone e um fiscal é enviado ao local. Lembro de uma vez, que passei na fila do Banco, mais do que o tempo estipulado e liguei para o PROCON, eles enviaram o fiscal na hora com a condição que eu me identificasse na hora de sua chegada para poder legalizar a denúncia.

    Vim lhe fazer um convite:

    Você já participou do BookCrossing Blogueiro e por isso venho te chamar para o 6º BookCrossing Blogueiro que acontecerá do dia 16 ao dia 23 de Abril.

    Ficarei feliz com a sua presença, participando ou ajudando a divulgar!

    "Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo e esquecer os caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia; e se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." (Fernando Teixeira de Andrade)

    Feliz páscoa!!
    Beijus,

    ResponderExcluir
  3. Ola...meu nome e Gerson, cadeirante, e estou morando nos EUA e eu tambem fico indignado com este tipo de coisa...aqui tem varios Walmarts e todos sao adaptados e com acessos para cadeirantes....como pode o mesmo supermercado tratar cadeirantes de maneira diferente? A resposta infelizmente esta no nosso Brasil que deveria exigir acessibilidade....

    ResponderExcluir
  4. Dá, vale e obrigada pela força!
    Luma depois de meses estou aqui pra respondê-los. Obrigada pela dica, quanto a participação no BookCrossing que venha o próximo!
    Então Gerson, também vejo dessa forma. Abçs!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ser cadeirante...

O texto abaixo está circulando na internet e achei pertinente postar aqui. É fato e muitas pessoas desconhecem o assunto, ás vezes por não conviverem com um cadeirante e não saberem lidar com uma situação, outras por ignorância, e a maior parte por descaso e desrespeito do próprio Estado de oferecer uma estrutura adequada para que a gente possa viver com mais dignidade. Boa leitura!   Ser cadeirante é ter o poder de emudecer as pessoas quando você passa… Ser cadeirante é não conseguir passar despercebi­do, mesmo quando você quer sumir! E ser completamente ignorado quando existe um andante ao seu lado. E isso não faz sentido, as pernas e os braços podem não estar funcionando bem, mas o resto está!

Ser cadeirante é amar ele­vadores e rampas e detestar escadas… Tapetes? Só se fo­rem voadores, por favor! Ser cadeirante é andar de ônibus e se sentir como um “Power Ranger” a diferença é que você chega ao ponto e diz: “é hora de MOFAR”.


Ser cadeirante é ter al­guém falando com você como se você…

Pessoas com deficiência x sexo

Pessoas, encontrei o texto abaixo e achei bem informativo. Quando o assunto é pessoas com deficiência e sexo ainda existe muito tabu. Ao meu ver o ponto chave é a família. Na maior parte dos casos as famílias tentam superproteger seus filhos afastando-os da vivência plenados seus sentimentos simplemente ignorando-os.

Não falar no assunto é a melhor forma de proteção, certo? Errado. É preciso sim orientar, conversar e assimilar as necessidades de cada pessoa com deficiência, mas ignorar que deficiente não tem sentimentos, não tem desejos, que deficiente não precisa se relacionar afetivamente, não é a melhor forma de tratar o assunto. 

Não somos bonecos de porcelana, que não podem sofrer, que não podem passar por situações difíceis, que não podem se quebrar, ficar em pedaços, em frangalhos. Claro que não queremos isso, mas faz parte. Somos iguais a qualquer outra pessoa e por isso se situações difíceis surgirem é a prova que estamos vivendo, perdendo de um lado e aprendendo do outro, ou …

Devotees

Descobri o termo em uma comunidade do orkut e fiquei curiosa para saber mais a respeito. Passei a ler artigos, blogs e afins, além de discutir o assunto com alguns devotees via MSN. Ainda serei uma pesquisadora profissional heheehe. Nem sempre reconhecemos um devotee de cara, até porque não vem escrito na testa de ninguém, mas com uma conversa dá pra constatar e tirar algumas conclusões. O que não pode acontecer é nos privarmos de conhecer pessoas que possam nos satisfazer emocionalmente. 
O importante é diferenciarmos a pessoa que é um devotee por apreciar a diversidade humana, que deseja sair do óbvio, do certinho, do convencional, para o devotee patológico que só tem olhos e tesão para a deficiência com seus aparatos: cadeira de rodas, muletas e aparelhos ortopédicos. Por tudo que já li cheguei a conclusão que ser um devotee não é doença, a não ser em casos restritos que ultrapassa o bom senso como já disse. No texto abaixo teremos a definição de devotee e suas ramificações com uma …