Pular para o conteúdo principal

Uma História de Superação

Olá, me chamo Vanderleia, mas carinhosamente sou conhecida como Léinha Santos. 

Sou a caçula de 5 irmãos, aos 8 anos fui diagnosticada com uma patologia conhecida como distrofia muscular do tipo cinturas. Tive que aprender a conviver e superar as dificuldades muito cedo.

Fui criada apenas pela minha mãe e meu irmão mais velho (Adriano), que sempre ajudou na minha criação e educação, além da minha mãe ele é uma das pessoas que eu tenho maior respeito e admiração.

No inicio não foi fácil lidar com tanta dificuldade e informação, até porque tenho na família uma irmã (Vanessa) com a mesma patologia (Distrofia muscular) a distrofia muscular não tem cura nem tratamento medicamentoso, e humanamente falando a medicina praticamente me desenganou.

Dos especialistas que passei ao longo da minha vida, sempre ouvi a mesmas coisas, sempre me falaram tudo que essa doença iria me “roubar” e tudo que eu não seria capaz de fazer.

Mais uma vez fui forte e me preparei para a vida da melhor forma possível, pois essa doença poderia me “roubar” qualquer coisa, mas nunca aceitei que “ela” me roubasse a vontade de viver e meu sorriso. Hoje aos 26 anos posso dizer que ainda não alcancei metade dos meus objetivos, mas que até aqui, tive grandes transformações e conquistas, a mais valiosa delas é estar fazendo a faculdade que tanto sonhei, Pedagogia.

Escolhi a pedagogia por diversos motivos, um deles é ajudar na formação de cidadãos conscientes e capazes de construir uma sociedade melhor, mas também para que meus esforços e meus conhecimentos sejam totalmente voltados a educação especial.

Gosto de gente, sou fascinada pelo trabalho social e de alguma forma sei que poderei fazer a diferença na vida das pessoas dando meu testemunho e minha contribuição como futura professora. Eu já estive do outro lado, sei como é difícil ingressar uma criança com deficiência em uma escola publica, se nos dias atuais é difícil, imagina à 15 anos atrás!? Onde pouco se falava sobre inclusão social. Por isso, até aqui me considero uma vencedora! Não que eu seja modelo para alguém, ou exemplo, como muitos costumam me rotular. Prefiro servir de inspiração, pois até aqui tive muitas pessoas como referência e inspiração, professores, amigos, cuidadores, fisioterapeutas…    Enfim, muita gente que passou pela minha vida e deixou suas contribuição como pessoa.

Hoje aprendi e aprendo todos os dias a enfrentar os meus medos e frustrações. Me sinto viva, útil e forte. Sou sensível por natureza, mas forte por imposição! Tenho jeito de menina, mas força de mulher. Tenho poucas pessoas ao meu lado, mas pode ter certeza que esses “poucos” valem muito. Sou grata acima de tudo, à Deus por não ter desistido de mim, e me dado uma nova chance e um novo vigor, todas às vezes que pensei em desistir.

Sou cadeirante e tenho um orgulho imenso disso, posso dizer até que é uma honra  poder ser cadeirante, essa luta não é pra qualquer um! Só posso dizer para todos aqueles que me olhavam sem nenhuma perspectiva de vida: Vocês estavam enganados! Eis-me aqui, firme e forte e na luta. Ainda há muito para conquistar, mais até aqui, estou bem, estou feliz… Entrego, aceito, confio e agradeço! Obrigada Deus por tudo!

Texto e foto enviados por: Vanderleia Santos e retirados do site Eu Supero - Histórias de Superação

Comentários

  1. ♥ Oi amigos, sou a Josiane de Campinas-Sp ♥

    ☺ Alguns médicos sempre estão querendo nos limitar! Eles podem entender um pouco sobre doenças, mas não entendem sobre a capacidade de Deus, Cristo e do Espírito Santo e como trabalham nas pessoas. Quantos exemplos temos de pessoas que são desenganadas em hospitais, mas surpreendem qualquer um com coisas inexplicaveis na medicina! Existe Deus, Cristo e o Espirito Santo, excelentes sempre pra mostrar a grandeza Deles Salmos 106:8 "...para fazer conhecido o seu poder.". ☺
    ♥ Números 6:24 O Senhor te abençoe e te guarde;
    Números 6:25 o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti;
    Números 6:26 o Senhor levante sobre ti o seu rosto, e te dê a paz.♥

    ResponderExcluir
  2. assista pelo computador:
    ocaminhoantigo.tv
    O Caminho Antigo HD no Youtube

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ser cadeirante...

O texto abaixo está circulando na internet e achei pertinente postar aqui. É fato e muitas pessoas desconhecem o assunto, ás vezes por não conviverem com um cadeirante e não saberem lidar com uma situação, outras por ignorância, e a maior parte por descaso e desrespeito do próprio Estado de oferecer uma estrutura adequada para que a gente possa viver com mais dignidade. Boa leitura!   Ser cadeirante é ter o poder de emudecer as pessoas quando você passa… Ser cadeirante é não conseguir passar despercebi­do, mesmo quando você quer sumir! E ser completamente ignorado quando existe um andante ao seu lado. E isso não faz sentido, as pernas e os braços podem não estar funcionando bem, mas o resto está!

Ser cadeirante é amar ele­vadores e rampas e detestar escadas… Tapetes? Só se fo­rem voadores, por favor! Ser cadeirante é andar de ônibus e se sentir como um “Power Ranger” a diferença é que você chega ao ponto e diz: “é hora de MOFAR”.


Ser cadeirante é ter al­guém falando com você como se você…

Pessoas com deficiência x sexo

Pessoas, encontrei o texto abaixo e achei bem informativo. Quando o assunto é pessoas com deficiência e sexo ainda existe muito tabu. Ao meu ver o ponto chave é a família. Na maior parte dos casos as famílias tentam superproteger seus filhos afastando-os da vivência plenados seus sentimentos simplemente ignorando-os.

Não falar no assunto é a melhor forma de proteção, certo? Errado. É preciso sim orientar, conversar e assimilar as necessidades de cada pessoa com deficiência, mas ignorar que deficiente não tem sentimentos, não tem desejos, que deficiente não precisa se relacionar afetivamente, não é a melhor forma de tratar o assunto. 

Não somos bonecos de porcelana, que não podem sofrer, que não podem passar por situações difíceis, que não podem se quebrar, ficar em pedaços, em frangalhos. Claro que não queremos isso, mas faz parte. Somos iguais a qualquer outra pessoa e por isso se situações difíceis surgirem é a prova que estamos vivendo, perdendo de um lado e aprendendo do outro, ou …

Devotees

Descobri o termo em uma comunidade do orkut e fiquei curiosa para saber mais a respeito. Passei a ler artigos, blogs e afins, além de discutir o assunto com alguns devotees via MSN. Ainda serei uma pesquisadora profissional heheehe. Nem sempre reconhecemos um devotee de cara, até porque não vem escrito na testa de ninguém, mas com uma conversa dá pra constatar e tirar algumas conclusões. O que não pode acontecer é nos privarmos de conhecer pessoas que possam nos satisfazer emocionalmente. 
O importante é diferenciarmos a pessoa que é um devotee por apreciar a diversidade humana, que deseja sair do óbvio, do certinho, do convencional, para o devotee patológico que só tem olhos e tesão para a deficiência com seus aparatos: cadeira de rodas, muletas e aparelhos ortopédicos. Por tudo que já li cheguei a conclusão que ser um devotee não é doença, a não ser em casos restritos que ultrapassa o bom senso como já disse. No texto abaixo teremos a definição de devotee e suas ramificações com uma …